Você está aqui: Página Inicial Câmpus Ipanguaçu desenvolve pesquisa de produção de alho

Câmpus Ipanguaçu desenvolve pesquisa de produção de alho

Allium sativum, agricultura orgânica, horticultura, olericultura
Câmpus Ipanguaçu desenvolve pesquisa de produção de alho

Cultivo Experimental do Alho

O alho (Allium sativum L.) é uma das espécies cultivadas mais antigas. Devido suas acentuadas características de sabor e aroma, é muito utilizado como condimento na cozinha brasileira, e praticamente em quase todo o globo, além de apresentar propriedades medicinais reconhecidas cientificamente, sendo utilizado no manejo de verminoses em animais e ainda no combate a doenças de plantas cultivadas em sistema orgânico.

A produção no Nordeste Brasileiro se concentra basicamente no estado da Bahia, que de acordo com o IBGE em 2010 apresentou uma área plantada de 729 ha, o que correspondeu a mais de 97% da área plantada com alho na região.

O estado do Rio Grande do Norte já teve áreas cultivadas com alho, principalmente utilizando variedades de ciclo curto, com predomínio do alho Branco Mossoró, também conhecido como o Branco Mineiro. Estas variedades também são conhecidas como de alho comum, apresentam ciclo de aproximadamente quatro meses, de pouca exigência em clima frio e fotoperíodo longo, o que possibilitava o cultivo sem a necessidade de realização da prática da vernalização, o que pode encarecer a produção.

As cultivares de alho comum tendem a produzir bulbos (cabeça) com bulbilhos (dentes) pequenos e numerosos, o que desvaloriza estes produtos no mercado. Com isso, com a chegada do alho tipo nobre no mercado potiguar oriundos de outros estados brasileiros e até mesmo de outros países, as áreas cultivadas no estado começaram a diminuir ao ponto de, atualmente, não se ter registros de cultivos com esta hortaliça, tornando o Rio Grande do Norte totalmente dependente de importações.

Visando diminuir a dependência do alho oriundo de outros estados e até mesmo revitalizar a produção no estado do Rio Grande do Norte, pesquisas têm sido realizadas objetivando desenvolver tecnologias de cultivo que possibilitem a retomada da produção desta cultura.

O IFRN Campus Ipanguaçu tem desenvolvido estudos nesta área, e a primeira etapa da pesquisa consiste na escolha do material genético apropriado às condições edafoclimáticas locais. Está sendo conduzido um ensaio em condição de campo visando avaliar seis variedades de alho (Branco Mossoró, Mexicano, Gravatá, Centenário, Cateto Roxo e Caturra), em sistema de cultivo orgânico, adequado a agricultura familiar, na Fazenda-Escola do Campus Ipanguaçu do IFRN.

O projeto conta com a coordenação do Professor Bernardo Bezerra de Araújo Junior, que é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Fitotecnia, com colaboração do Engenheiro Agrônomo Marlon Dantas e dos estudantes do curso Técnico Agroecologia: Alice Emilaine, João Pedro, Fernando Augusto e Marília Tavares. Conta ainda com o Apoio da Professora Dra. Maria Zuleide de Negreiros (UFERSA).

« Dezembro 2019 »
Dezembro
DoSeTeQuQuSeSa
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031